Rice Fields Forever

Se os beatles tivessem conhecido Sapa, com certeza eles mudariam a letra de Strawberry Fields…porque os campos de arroz são tão legais!!! Sim, como eu sou uma pessoa sortuda, depois de dois dias as nuvens se foram, o sol voltou a brilhar e o horizonte se abriu pra nós 😀

Não perdemos tempo e fomos caminhar pra ver os famosos campos de arroz. Fizemos uma caminhada até a vila de Cat Ca, super turística mas com vistas bonitas, mas ainda assim ficamos com vontade de conhecer mais a fundo aquilo tudo.

Na volta, 3 da tarde, uma menina puxou papo e fomos parar na sua vila (nome) que fica a meia hora de moto de Sapa. Fomos em moto porque ia começar a chover e já não havia mais tempo pra ir caminhando, lá anoitece cedo.

Chegamos lá e fomos dar uma voltinha. E quase todas as mulheres da vila vieram seguindo a gente. Elas iam explicando os tipos de arroz que íamos vendo nos campos, vimos as mulheres debulhando os galhos de arroz, e fomos até uma gruta.

Dormimos em uma “homestay” fajuta, que não tinha cara de homestay. Deveria ser na casa de uma família, e era. Mas a mulher estava tão “ligada” no turismo que construiu 2 quartos sobre a sua casa pra hospedar os turistas ao custo módico de 50.000 Dongs a noite. Não jantamos nem tomamos café com a família: eles nos serviam em uma mesinha na frente dos nossos aposentos. Nem tudo pode ser perfeito……

Mas a caminhada da volta foi BEM linda. Foram 3 horas caminhando do povoado até Sapa, com a menina que contactamos no dia anterior. cada um pagou pra ela 100.000 Dongs e, sem ela, a gente teria realmente se perdido na volta.

Paisagens lindas, campos de arroz infinitos, porquinhos, búfalos e crianças dando oi e tchau pra gente. E muita gente trabalhando na colheita do arroz: no norte se planta em maio e se colhe em setembro e outubro, e esse arroz é pro ano inteiro deles). Foi muito interessante!

Paramos uns 10 minutos e ficamos vendo uns meninos jogando pião. O seu filho sabe o que é um pião? Realmente esses lugares parados no tempo são a mostra que, da maneira deles, eles vivem bem, se divertem, e não invejam nem um pouco a vida dos “States” que o tal americano louco queria dar pra sua nova mulher mong.

Voltamos à civilização Sapense, lavamos roupa e jantamos já com nostalgia por ter que deixar a cidade na manhã seguinte….já éramos locais, as pessoas já não vinham dizer o mantra “buy for me”. No dia seguinte já partiríamos rumo à fronteira. Dólares trocados, celular e netbooks carregados, prontos para o próximo país da rota (e quarto a ser visitado por mim): Laos!


About the Author

Jornalista e travel blogger. Aprende o que o mundo ensina e inspira as pessoas a viajarem. Já morou na Finlândia, já trabalhou na Disney, fez o Caminho Inca e foi como peregrina a Santiago de Compostela algumas vezes. Vive atualmente em Madri e continua transformando seus feriados e férias de 23 dias ao ano nos melhores períodos da sua vida.



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Back to Top ↑
  • DESTAQUES DO MÊS

  • HOTÉIS MAIS BARATOS NO BOOKING

    Booking.com