Buen Camino Caminho de Santiago em família

Published on | by Suzana

20

Caminho de Santiago em família

Sempre que vejo pais e filhos fazendo o Caminho de Santiago em família eu fico encantada. Por muito tempo eu pensei que eram os filhos que traziam o pai, ou a mãe, mas ano passado vi vários exemplos de mães que começaram o Caminho do início e marcaram de encontrar o filho ou filha, e até o marido, em uma etapa mais adiante e seguiram com eles até o final.

Eu já havia pensado em chamar os meus pais pra uma viagem à Europa e queria que eles conhecessem um pouco dessa experiência bonita e transformadora. Inicialmente pensei em chamar só o meu pai, porque ele está mais “em forma” que minha mãe, mas como ela não ia aceitar ficar sozinha em Santiago por uns dias esperando a gente chegar, ela entrou no pacote junto 😉

Decidi levá-los aos últimos 100 Km de Sarria a Santiago (que na verdade são 115km) porque é o percurso mais cômodo e estruturado para peregrinos de primeira viagem. Havia também pensado em ficar nos albergues privados, que são menos cheios e alguns até mais novos que os públicos, mas que ainda assim iam dar uma noção boa do que é ser peregrino, dividir quartos com beliches entre várias pessoas, dormir ao som de roncos, etc. Eu queria trazê-los o mais próximo possível da minha realidade e realizar o sonho de percorrer o Caminho de Santiago em família.

Caminho de Santiago

Caminho de Santiago em família

Ainda bem que deu tudo certo e o dia de realizar esse sonho chegou! Eles vieram do Brasil a Madrid e, sozinhos, se viraram no dia seguinte pra chegar à estação de trem e ir a Sarria, seguindo minhas indicações. Deu tudo certo e eu os estava esperando no destino. Fomos ao nosso quarto particular no albergue em Sarria e nos instalamos, separamos qual roupa ia pra mochila de caminhada e qual ficava na mala a ser mandada direto a Santiago através de um serviço proporcionado pelos Correios, que se chama El Camino con Correos. Dormimos e, na manhã seguinte, #partiuCaminhodeSantiago.

Caminho de Santiago

ONDE DORMIR EM SARRIA
Saindo de Sarria, já depois da segunda hora caminhada, minha mãe se cansou. E isso que ela disse que fazia suas caminhadas e subia e descia escadas da sua casa em Curitiba. Mas eu estava querendo projetar nela o que via em outras senhoras da idade dela durante o Caminho, mas a verdade é que cada corpo tem os seus próprios limites, e isso não é pelo fator idade, e sim pelo perfil de cada pessoa.

Há idosos com muitos mais anos que minha mãe, que tem 66 anos, que estão acostumados a caminhar e vão muito bem no Caminho. Por outro lado, há jovens que têm dores nos joelhos já no segundo dia. Como não dá pra saber tudo isso antes (e eu sinceramente achava que ela ainda aguentasse), eu projetei coisas que não existiam. Claro que, para fazer o Caminho de Santiago em família, fomos mais devagar, paramos várias vezes mas, depois desses 10 km iniciais, chegamos a um bar pouco antes de Ferreiros, onde decidimos almoçar tranquilamente e tomar umas cervejas bem geladas. E partimos para o plano B: chamamos um táxi e fomos ao hotel que já estava reservado em Portomarín. Ah sim, ela não quis ficar no albergue de peregrinos da cidade. Mais uma expectativa frustrada com relação à realidade (eu fiquei no albergue já que o hotel não aceitava mais de 2 pessoas por quarto).

Caminho de Santiago
No dia seguinte, já começando a entender melhor o drama que eu tinha em mãos, olhei a topografia da etapa e achei um ponto onde começaria uma descida e pensei que seria ideal pra eles. Foi assim que marcamos de nos encontrar em Ventas de Narón. Eu iria pra lá caminhando a partir das 7h e fiz as contas e vi que levaria mais ou menos 2 horas e meia pra chegar ao ponto de encontro. Cheguei ao bar e eles já estavam esperando ali. Depois foram duas horas tranquilas de descida e com menos reclamações de cansaço. Meu pai ia bem, por ele acho que andaria todo o trecho de 25 km, mas ele não ia deixar minha mãe de lado. Chegamos perto de uma rodovia, cruzamos ao outro lado e encontramos um restaurante na hora exata que eles já estavam cansados e com fome. Batia um vento bem gostoso e passamos umas duas horas ali. Seguindo o novo costume, chamamos um táxi e eles foram para o hotel descansar, enquanto eu seguia em frente pra caminhar outro trecho de uns 12 km com o sol da tarde, que eu ainda não conhecia bem. Foi uma caminhada longa e solitária, mas tranquila e feliz, até encontrá-los no hotel em Palas de Rei. Dessa vez me hospedei ali, ganhando um quarto só pra mim, que luxo!

Caminho de Santiago
E foi assim até Monte do Gozo. Nos hospedamos em um hotel em Monte do Gozo, povoado também conhecido por San Marcos,  onde ficamos pra poder ir caminhando os últimos 5 km pra chegar a Santiago no dia seguinte. Naquela altura eles já estavam mais experientes e confiantes, minha mãe seguia firme com seu cajado de madeira e os três chegamos juntos à praça do Obradoiro. Foi a realização de um sonho.

Caminho de Santiago em familia

 

O que aprendi com a experiência do Caminho de Santiago em família:

  • Leve seus pais ao Caminho, mas não espere que eles caminhem na mesma velocidade que você.
  • Respeite a vontade deles de parar pra descansar muito mais vezes do que você pararia.
  • Pais gostam de conforto. Deixe que parta deles a escolha do lugar pra dormir, ainda que você ache os albergues uma solução fantástica.
  • Sugira que eles caminhem com o seu tênis mais usado e confortável.
  • Prefira temporadas médias a temporadas altas, e épocas do ano com mais sol que chuva (junho e julho, setembro e começo de outubro).
  • Deixe sua mãe comprar todos os colares e broches e enfeites que ela quiser. Mesmo que sejam as conchas da praia. É tudo diferente e lindo pra elas.
  • Nossos pais têm mais o perfil de turisgrinos que de peregrinos. Aceite.
  • Divida máquinas de lavar roupa todos os dias ou sempre que necessário. Deixe essa história de lavar à mão pra você que tem mais energia.
  • Divirtam-se! Colham juntos muitas frutas do pé, eles vão adorar lembrar dos tempos de infância.

Caminho de Santiago

Epílogo:

Existem diferentes tipos de pais. Desde os esportistas aos entusiastas, e também os que aceitam as propostas dos filhos de coração aberto. Afinal eles já fizeram tudo pela gente e continuarão fazendo. Os meus foram ao Caminho de Santiago por insistência minha. Pode não ter sido a viagem da vida deles, mas com certeza marcou a minha primeira vez percorrendo os 890 km que separam Saint Jean Pied de Port a Finisterra, em junho de 2014. Que sensação incrível tê-los comigo nos meus últimos quilômetros. Foi mais difícil e desafiador? Foi. Deixei os meus amigos seguirem adiante pra ficar com eles? Deixei. Valeu a pena? Totalmente. Obrigada Seu Paulo e Dona Sandra 🙂

Caminho de Santiago

PS: eu soube, em conversas nos anos seguintes, que eles adoraram a experiência de peregrinar pelo Caminho de Santiago em família, e os perrengues agora são lembrados com muita risada, já viraram piada – como têm que ser. O bastão de caminhada da minha mãe está repousando ao lado da cama dela, e ela sempre conta pro médico que ela vai conseguir certo objetivo pois, afinal, ela já fez o Caminho de Santiago <3

Se gostou desse post, com certeza há outros que poderá gostar! Fica o convite para me seguir nas redes sociais, espero o seu like! Curta minha página no Facebook para me acompanhar no Caminho! Todas os comentários, dúvidas e sugestões são mais que bem vindos 🙂

Clique aqui e faça o download grátis do meu Guia do Caminho de Santiago!

 

Tags: , , , ,


About the Author

Jornalista e travel blogger. Aprende o que o mundo ensina e inspira as pessoas a viajarem. Já morou na Finlândia, já trabalhou na Disney, fez o Caminho Inca e foi como peregrina a Santiago de Compostela algumas vezes. Vive atualmente em Madri e continua transformando seus feriados e férias de 23 dias ao ano nos melhores períodos da sua vida.



20 Responses to Caminho de Santiago em família

  1. Parabéns Suzana. Sua atitude foi fantástica

  2. ora exacta says:

    Heya i am for the primary time here. I came across this board and
    I find It really helpful & it helped me out a lot.
    I am hoping to offer something back and help others like you aided
    me.

  3. Curs Euro Md says:

    Its like you read my mind! You appear to know so much about this, like you wrote the book in it or something. I think that you can do with a few pics to drive the message home a bit, but instead of that, this is excellent blog. A great read. I will certainly be back.|

  4. Pingback: 10 Razões para voltar ao Caminho de Santiago

  5. Pingback: O que o Caminho de Santiago significa pra mim

  6. Pingback: Como escolher um albergue no Caminho de Santiago

  7. Pingback: Caminho de Santiago: um sonho realizado

  8. Pingback: Albergues brasileiros no Caminho de Santiago

  9. Juliane says:

    Adorei a experiência, Suz! Não penso em fazer o caminho com minha mãe, mas me diga, qual a idade ideal para se aventurar no caminho com os filhos?

    • Suzana says:

      Oi Juli, que bom que você gostou! Olha, já vi crianças de várias idades no Caminho. Arrisco dizer que de 9 anos em diante, sempre e quando a criança esteja acostumada a caminhar. Menos que isso, elas se cansam muito rápido. Aí tem que atuar como se fosse um adulto idoso cansado: parar, pegar um táxi ou ônibus até o albergue mais próximo. Mas tem muita gente que faz com os filhos!

  10. Camila Levy says:

    Reli seu texto, pois já tinha lido quando saiu… e fiquei emocionada pensando nos meus próprios pais. Tenho certeza de que vai rolar muito perrengue, mas é pra isso que vamos também! Será uma experiência incrível, apesar de eu evitar um pouco as expectativas, como você mesmo descreve. Suas dicas foram de ouro, como sempre!

    • Suzana says:

      Oi Camila! Que bom que as dicas foram úteis 🙂 é uma experiência única mesmo, e um tempo bem longo dedicado exclusivamente aos nossos pais, no meio da natureza e em uma situação inusitada. Depois me conta como foi. Bom Caminho pra vocês!

  11. Patricia C Braga Marin says:

    Querida Suzana, realmente seu texto é muito rico, falta pouco para fazermos o caminho em família e assim que minha filha Camila Levy mandou o post já li e reli e me emocionei muito. Sou de expectativas, apesar de estar na melhor idade, fico esperando como uma criança!!! Depois a gente conta como foi o “nosso caminho à seis pés”! Beijos

    • Suzana says:

      Olá Patrícia! Muito obrigada 🙂 vocês vão adorar. Lembrem de ouvir o seu corpo e parar sempre que for necessário, há táxis durante todo o trajeto, basta perguntar em algum bar ou restaurante. Adorei o “caminho a 6 pés” <3 Depois quero saber sim! Bom Caminho!!

  12. Patricia C Braga Marin says:

    Suzana minha amiga peregrina! Hoje também sou uma peregrina e mais feliz ainda, porque o que era sonho, tornou-se realidade e foi pra de melhor em minhas expectativas! Caminhamos por 4 dias, fizemos um pedaço do Caminho Francês, ganhamos bolhas, ganhamos dores, mas tudo é recompensado por uma noite bem dormida, por olhar e ver minha filha Camila Levy, nos orientando pelos campos, meu marido Antônio Jose Marin, me apoiando e cuidando de nós duas o tempo todo, chegar na frente da Catedral de Santiago de Compostela e não conter as lágrimas de tanta emoção! Sim, fizemos esse maravilhoso caminho em família e, com certeza seu texto e seus pais foram minha inspiração! Era isso que eu queria te contar! Um beijo e até breve!

    • Suzana says:

      Que maravilha, amiga peregrina!! Vi algumas fotos e percebi que vocês adoraram mesmo 🙂 fico bem feliz de ter podido inspirá-los de alguma forma, e que vocês puderam conhecer esse caminho mágico! Um beijo e Bom Caminho!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Back to Top ↑
  • DESTAQUES DO MÊS

  • HOTÉIS MAIS BARATOS NO BOOKING

    Booking.com